fbpx

Sidebar

13
Dom, Jun

A Educação do futuro será inclusiva e conectada

Notícias EAD

Professores antenados, conectados e valorizados, combate à violência nas escolas com psicólogos e zero tolerância ao bullying. O Brasil como referência em educação básica na América Latina e a defesa de mais investimentos no ensino. Liberdade com responsabilidade para os alunos. Esses foram alguns dos assuntos debatidos no Educação 360 Encontro Internacional.

Professores antenados, conectados e valorizados, combate à violência nas escolas com psicólogos e zero tolerância ao bullying. O Brasil como referência em educação básica na América Latina e a defesa de mais investimentos no ensino. Liberdade com responsabilidade para os alunos. Esses foram alguns dos assuntos debatidos no Educação 360 Encontro Internacional

A 6ª edição do evento, realizado pelos jornais O GLOBO e Extra, com patrocínio de Itaú Social, Fundação Telefônica/Vivo, Colégio pH e Universidade Estácio, e apoio institucional de TV Globo, Unicef, Unesco, Fundação Roberto Marinho e Canal Futura, discutiu os rumos da educação no país.

Com mais de 30 painéis, o Educação 360 trouxe um grupo diverso para falar sobre temas ligados ao ensino no Brasil e também mostrou cases locais e globais de educação. Exemplos como o de Ontário, no Canadá, que por uma rede de colaboração e diálogo entre professores e governo se tornou um modelo de eficiência, ou o da centenária Summerhill, uma escola inglesa que respeita a liberdade do indivíduo, foram apresentados e discutidos com o público.

Ampliação no acesso à escola e diminuição da evasão escolar permearam o painel com o secretário de Educação Básica do MEC, Jânio Carlos Endo Macedo.

— Nós queremos fazer com que todos tenham acesso à escola, que os nossos estudantes entrem, aprendam e permaneçam na escola — defendeu o secretário.

A formação de professores foi uma das preocupações abordadas pelo especialista Martin Carnoy. Segundo ele, o Brasil precisa começar a construir um sistema eficaz agora. Carnoy se mostrou preocupado com os indicadores que mostram que 50% dos educadores brasileiros fazem o curso de graduação à distância.

O on-line também mostrou seu lado positivo no evento. Edutubers, termo utilizado para definir os educadores que oferecem aulas no YouTube, falaram do papel que essa nova forma de ensino pode desempenhar no contexto educacional do país.

Ídolos na plataforma, Junior Silveira, Gabi Oliveira e Rafael Procópio falaram sobre o poder que a internet tem para democratizar o acesso ao conhecimento, mas sem substituir a presença física do professor. O discurso foi o de somar forças e ter a internet como complemento das aulas.

O uso de tecnologias em sala de aula foi o pano de fundo de diversos painéis durante o evento, abordando a importância que estudantes atribuem à escola e ao professor como fonte de conhecimento.

A depressão, a violência e o bullying foram discutidos por meio da exposição dos números de agressões aos professores no Brasil e massacres em escolas do país, como em Realengo (RJ) e Suzano (SP), e nos Estados Unidos, com Columbine. O debate deixou um alerta a pais e escolas sobre os nossos jovens.

Fonte: Extra Globo