fbpx

Sidebar

20
Qua, Jan

EAD prejudica a formação dos estudantes de artes

Notícias EAD

Suspensão das atividades práticas essenciais desmotiva alunos do CAC, CAP e CMU.

Suspensão das atividades práticas essenciais desmotiva alunos do CAC, CAP e CMU.

por Letícia Flávia

Algumas das definições de arte, segundo o Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, Michaelis, são: capacidade criativa do artista na expressão e transmissão da inteligência, sensações ou sentimentos; criatividade, talento; O domínio do conjunto de normas e regras necessárias à expressão e transmissão dessas sensações e sentimentos; esmero técnico, habilidade, perfeição.

A partir dessas definições, surge a pergunta: como os alunos que estudam a expressão artística por meio da atividade empírica lidam com o EAD? É possível aprender na prática à distância? Nessa matéria, conversamos com estudantes do CAC, CAP e CMU para entender se, e como, sua formação foi prejudicada.

Teatro online?
Para Hellen Nicolau, aluna de artes cênicas do quarto semestre, a qualidade das aulas práticas que se adaptaram ao EAD caiu. Disciplinas essencialmente experimentais, como atuação e encenação, foram incapazes de suprir no virtual o aprendizado que os alunos tinham presencialmente, a partir do contato com o outro em cena.

Hellen, que chegou a ter algumas aulas de atuação no início do ano, antes da suspensão presencial da USP, conta que a turma saía pingando do palco devido ao intenso trabalho corporal. Nessas aulas, os alunos faziam exercícios de improvisação e tinham expectativas de estudar montagem e direção cênica. No on-line, a experiência foi bem diferente. O trabalho se resumiu em ler e discutir textos, bem como interpretar cenas em vídeo chamadas. “Estudei muito para passar na USP, e agora sinto que minha formação está sendo precarizada”, divide a estudante.

A disciplina de Ateliê, que ocorre todo segundo semestre e que é puramente prática, foi alvo de muitos trancamentos, incluindo o de Hellen. Vários alunos se sentiram desmotivados de fazê-la online, já que ela envolve criação de cenas e a construção de uma peça. Os alunos que fizeram a disciplina on-line fizeram uma apresentação por Zoom, no dia 17 de dezembro.

“Teatro é sobre presença. Atuar para uma câmera é diferente de atuar para as pessoas e nosso estudo é a partir do coletivo. Aprendemos teatro por meio da prática”, comenta Hellen Nicolau.

Artes plásticas sem prática?
A maioria das disciplinas do CAC são práticas. A adaptação delas para o ensino à distância resultou no envio de trabalhos pelos alunos conforme o pedido dos professores, durante o primeiro semestre. Já as matérias práticas do segundo semestre serão repostas… Mas sem previsão de quando.

Segundo a estudante de artes plásticas e representante discente, Clara Luz, a manutenção das aulas práticas no EAD enfrenta desafios. É necessário materiais caros, suporte e assistência dos professores. A disciplina de xilogravura, por exemplo, só é possível ser feita no ateliê do CAP. A reposição dessas aulas será feita apenas quando o ambiente universitário for seguro para alunos e professores. Mas de qualquer forma, essa reposição deve ser planejada, já que as turmas estão superlotadas, com cerca de 50 a 60 alunos.

“Foi um ano de aprendizado prático insuficiente. Vamos tentar repor essas aulas práticas em algum momento, mas pode ser que isso demore de um a dois anos. A sensação é de ano perdido”, divide Clara.

O canto à distância
Ananda Gusmão estuda canto lírico no CMU desde 2018, e o ano de 2020 foi desafiador para sua formação. Os alunos de canto possuem aulas individuais com o professor e pianista. No virtual, não foi possível ter essa aula ao vivo. Afinal, no canto lírico a pressão e volume de voz é muito forte, o que estoura o microfone comum durante a videochamada.

A alternativa encontrada foi pedir para os alunos gravarem canções em cima do áudio mandado pelo pianista. Durante as aulas, o professor comentava o que cada aluno poderia melhorar, e em seguida, os estudantes gravavam de novo. Ananda divide que a rotina de gravação em casa era estressante, primeiro porque são várias repetições que dependem do silêncio do ambiente, e segundo porque, como mora em prédio, muitos vizinhos reclamam do barulho.

A estudante também trancou seus estudos no segundo semestre de 2020. Um dos principais motivos foi porque pegou covid-19 e ficou duas semanas de cama. Durante esse período, acumulou muitos trabalhos da graduação para serem entregues, o que a desmotivou a continuar o semestre. Além disso, sua graduação está chegando ao fim, e não queria ter que passar pelos últimos semestres fazendo de qualquer jeito. “Perdemos o dinamismo da formação”, diz a estudante. “Música se faz pelo contato com o outro”.

Fonte: Jornal do Campus | USP