fbpx

Sidebar

11
Dom, Abr

Vacina: professores devem ser incluídos em grupo prioritário

Notícias EAD

Presidente da Comissão de Educação anunciou que profissionais da área serão priorizados assim que Estado comprar vacina diretamente de laboratórios

Presidente da Comissão de Educação anunciou que profissionais da área serão priorizados assim que Estado comprar vacina diretamente de laboratórios

Os profissionais da educação serão priorizados na vacinação contra a Covid-19 assim que o governo do Espírito Santo conseguir comprar o imunizante diretamente dos laboratórios. A informação foi dada pelo deputado Bruno Lamas (PSB) durante audiência pública realizada nessa segunda-feira (1º) na Assembleia Legislativa (Ales).

"Os profissionais de educação serão prioridade e priorizados no momento da chegada da vacina", revelou o parlamentar na reunião que debateu a imunização desse grupo. Bruno Lamas afirmou que as chances de o ES comprar as vacinas são "enormes" porque o estado faz parte de um consórcio com outras unidades da federação. "Amanhã o governador vai fazer o anúncio".

Exposição ao vírus

Representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Espírito Santo (Sindiupes) relataram a falta de segurança que os professores sentem com o retorno das aulas presenciais. As demandas foram ouvidas pela assessora de relações institucionais da Secretaria de Estado da Educação (Sedu) Aline Nunes.

A diretora do sindicato Noêmia Simonassi cobrou a aprovação de um projeto de lei em tramitação na Ales que inclui a categoria como prioridade na vacinação - a matéria é de autoria de Bruno Lamas. Segundo Noêmia, o governo local vacinou só 2.9% da população capixaba e o atual momento é o mais crítico desde o início da pandemia.

Mesmo assim, avaliou, o Estado "insiste" em retornar as aulas presenciais. "Isso significa a previsão de mais contaminação, mais internações, e mais mortes", considerou. "Nossos profissionais da educação estão colocando a vida em risco em atendimento à ordem do governo do Estado". A sugestão é que o ensino remoto seja mantido até que a imunização alcance a todos.

Para o diretor Ildebrando Paranhos, professores estão com a parte psicológica abalada por causa da exigência de volta das aulas presenciais. No final do ano passado e no início de 2020, lembrou que pelo menos seis escolas sofreram com surtos do novo coronavírus.

"Na última entrevista do secretário da Saúde do Estado, ele falou da possibilidade de no mês de março ainda estarmos na segunda onda ou terceira, ou seja, isso gera um fator psicológico para o professor", explicou o diretor, lembrando que muitos alunos vão de ônibus lotados para a escola, onde ficam por até 9 horas por dia. "O professor vai para a sala de aula com medo", frisou Paranhos.

Já o diretor do Sindiupes Gean Carlos Nunes de Jesus lembrou que a prioridade na vacinação da categoria é sustentada por uma campanha da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), e revelou que na Argentina a orientação está sendo seguida. "Nesse momento a gente clama para que os governos brasileiros venham a priorizar os profissionais da educação".

O apelo recebeu apoio da vereadora de Vitória Camila Valadão (Psol) e da representante do Sindiupes Lorraine Rangel.

A assessora de relações institucionais da Sedu Aline Nunes afirmou que os profissionais da educação estão inseridos como prioridade no plano de vacinação. Entretanto, houve entendimento na Justiça que "não poderíamos associar vacinação com retorno presencial das aulas, seguindo os protocolos rígidos sanitários".

Oferta de doses

Os deputados não se colocaram contra o pleito do sindicato, mas fizeram ponderações sobre o pedido. Sergio Majeski (PSB) disse que hoje o problema é de abastecimento no mercado. "A gente pode priorizar, mas da onde viria essa vacina?", questionou. De acordo com ele, países desenvolvidos já encomendaram as doses junto aos laboratórios há sete meses.

"Vejo como algo muito complexo", considerou o Coronel Alexandre Quintino (PSL) sobre a demanda dos professores. Ele citou um processo do Supremo Tribunal Federal (STF) que pedia prioridade de vacinação para as pessoas com deficiência e cujo relato acabou sendo contrário devido à escassez do imunizante no mercado.

Para Luiz Durão (PDT) a proteção dos alunos e professores só vai ser possível a partir de ações preventivas de cada pessoa em conjunto com mecanismos e medidas especiais no transporte e nas salas de aula. Ele também ponderou que não há vacina disponível no mercado.

Fonte: Jornal Fato