fbpx

Sidebar

18
Sáb, Set

EVASÃO ESCOLAR: Intenção de desistência sobe de 28 para 43%

Notícias EAD

Por causa de condições financeiras e dificuldades para aprender via ensino remoto, 43% dos estudantes brasileiros com idades entre 15 e 29 anos já pensaram em desistir dos estudos, é o que afirma a segunda etapa da pesquisa “Juventudes e a Pandemia de Coronavírus (Covid-19)”. Na primeira edição da pesquisa, o índice de intenção de evasão escolar ficcou em 28%.

Por causa de condições financeiras e dificuldades para aprender via ensino remoto, 43% dos estudantes brasileiros com idades entre 15 e 29 anos já pensaram em desistir dos estudos, é o que afirma a segunda etapa da pesquisa “Juventudes e a Pandemia de Coronavírus (Covid-19)”. Na primeira edição da pesquisa, o índice de intenção de evasão escolar ficcou em 28%.

No contexto da evasão, 6% dos participantes trancaram a matrícula durante a pandemia, e para 47% dos jovens é necessário, antes, que a população seja vacinada.

Outro motivo apontado pela pesquisa para a evasão é a dificuldade financeira, que foi sentido com o fim do auxílio emergencial e a diminuição de renda das famílias, o que fez como que muitos jovens precisassem recorrer a trabalhos informais.

“A pesquisa reforça a necessidade de defender políticas públicas desenhadas e implementadas de forma intersetorial. Os fatores associados à possibilidade de abandono escolar, por exemplo, são múltiplos: necessidade de ganhar dinheiro, dificuldades para se organizar, acompanhar e aprender no contexto do ensino remoto, necessidade de cuidar de filhos e outros parentes, problemas de saúde, incluindo depressão”, aponta Rosalina Soares, gerente de pesquisa e avaliação da Fundação Roberto Marinho.

De acordo com a gerente, a evasão escolar produz consequências severas para os jovens, “que vivem menos, com menos saúde, com menos renda ao longo da vida. Essa violação do direito à educação gera uma perda de R$220 bilhões por ano, 3,3% do PIB (Produto Interno Bruto, soma de todos os bens e serviços finais produzidos durante um período determinado). Em tempos de crise sanitária e econômica, observamos que a agenda educacional é prioritária, é urgente”.

A segunda etapa da pesquisa “Juventudes e a Pandemia de Coronavírus (Covid-19)” ouviu 68 mil jovens e foi promovida pelo Conselho Nacional da Juventude (Conjuve) com correalização de Em Movimento, Fundação Roberto Marinho, Mapa Educação, Porvir, Rede Conhecimento Social, Unesco e Visão Mundial. As respostas foram coletadas entre março e abril deste ano.

Com informações do Porvir/Fonte: Agência Educa Mais Brasil